Justiça em Foco

A carta de José Mayer mostra o fosso entre homens e mulheres - por Debora Diniz

Artigos

Sexta-Feira, Dia 21 de Abril de 2017

por Debora Diniz
 
A ficção machista é uma criação da cabeça dos homens sobre como deve ser o mundo. A realidade das mulheres, desde cedo, é a do assédio
 
A carta de José Mayer é uma confissão – “eu errei”, diz ele. Errou porque ofendeu, errou porque foi agressivo, errou porque não soube respeitar uma mulher que lhe dizia “não”. 
 
Como o coronel de engenho, era um senhor poderoso a espoliar mulheres ao seu redor. Se no passado era o chicote e a cana de açúcar, no seu caso, é a celebridade global. Ao contrário do que arriscou em sua defesa, as mulheres não confundiram ficção com realidade ao denunciá-lo. 
 
Quem desconhece a realidade são os homens. Realidade vivida e histórica das mulheres. A realidade das mulheres desde muito jovens é a do assédio. José Mayer diz na carta que “o mundo mudou”. Diz ainda que demorou 60 anos para aprender a lição e pede desculpas à Susllen Tonani, sua colega de trabalho que o denunciou, mas também a todas as mulheres. Inclusive às de sua família. 
 
Há vários erros na carta. 
 
O primeiro é ele ter demorado tanto tempo para entender que a ficção machista é uma criação da cabeça dos homens sobre como deve ser o mundo. Nós, mulheres, muito antes de ele nascer, já sabíamos que assédio é uma espoliação do corpo feminino. Demorou muito para aprender, talvez porque nunca tenha sido confrontado na tranquilidade de seu poder masculino. Por medo ou submissão, outras mulheres podem ter se silenciado. 
 
Outros erros recheiam a carta. 
 
José Mayer não tem que pedir desculpas a todas as mulheres; neste momento, só a uma: Susllen, quem teve sua intimidade, privacidade e integridade abusadas e violadas por ele. Não há por que incluir as mulheres do mundo, a não ser que continue se imaginando alguém tão importante que a todas nós deve alguma palavra. Está equivocado, me parece, na importância da sua humildade. 
 
Há mais, bem mais na carta. 
 
Para demonstrar seu interesse em respeitar as mulheres, José Mayer cita que tem esposa e filha. Sim, e daí? As mulheres da família não são ícones de honradez a um homem. Novamente, não entendo a abrangência: ele pode respeitar as mulheres de sua família e desrespeitar as da rua; desrespeitar todas, ou só respeitar as da rua. 
 
Poderia passear mais pela carta, quase linha a linha. 
 
Mas termino com a resignação passiva dos homens que dizem “tristemente, sou fruto de uma geração”. Ninguém é fruto de geração, todos somos produções históricas e sujeitos pensantes sobre a própria história. 
 
É confortável ser o machista passivo, o senhor de engenho, o chefe da empresa, o patriarca. Há serenidade no perdão ao anunciar-se fruto da geração patriarcal – há confortos e vantagens. 
 
Pedir desculpas é importante. Escrevê-las é um ato de coragem. No entanto, só o tempo dirá se o sujeito que escreveu essas linhas será mesmo alguém melhor para promover a igualdade entre homens e mulheres na sociedade brasileira. 
 
Ainda há tempo – mesmo aos 60 anos, José Mayer pode ser um porta-voz de como o assédio masculino é prática insuportável para a civilização. 
 
Débora Diniz é professora Faculdade de Direito, da Universidade de Brasília e pesquisadora da Anis - Instituto de Bioética Direitos Humanos e Gênero. Graduada em Ciências Sociais, mestre e doutora em Antropologia, todos pela UnB, com pós-doutorado pela UnB e pela University os Leeds (Inglaterra),  É membro da Câmara Técnica de Ética e Pesquisa em Transplantes do Ministério da Saúde e membro do Advisory Committee do Global Doctors for Choice/Brasil. Vice-chair do board da International Womens Health Coalition. Atua nos temas bioética, feminismo, direitos humanos e saúde. Foi pesquisadora visitante na University of Leeds, Reino Unido (Gender Studies); Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Instituto de Medicina Social); Instituto Oswaldo Cruz (Comunicação, Informação e Saúde); University of Michigan, EUA (Law Faculty); University of Toronto, Canadá (Law Faculty e Joint Center for Bioethics); Universidade de Sophia, Tóquio (Iberoamerican Institute); Cermes, França (Centre de Recherche, Médecin e, Sciences, Santé, Santé Mentale, Societé); University of California at Berkeley, Estados Unidos (Sociology Department); e University of Leiden, Holanda (Department of Anthropology). Entre vídeos produzidos e  publicações, é também  autora de seis livros e tem oito organizados.
Responsive image

Fonte: Publicado originalmente na revista Carta Capital em 5/4/2017.
Relatar Conteúdo Impróprio ou Comunicar Erro


Artigos


Indique a um amigo
Imprimir notícia 
Últimas Notícias

Outras Notícias Clique Aqui