Justiça em Foco

Procuradoria da Suécia encerra investigações sobre Julian Assange por agressão sexual

Mais Notícias

Sexta-Feira, Dia 19 de Maio de 2017

A procuradoria da Suécia informou hoje (19) que as investigações sobre a acusação de agressão sexual contra Julian Assange, fundador do site WikiLeaks, foram encerradas. Mesmo assim ele deve continuar a viver na embaixada do Equador em Londres, onde está há quase cinco anos, porque se voltar a Suécia, a investigação pode ser reaberta – o crime de estupro só prescreverá em 2020.
Além disso, a polícia britânica tem uma mandato de prisão vigente contra ele. Portanto, se ele deixar a embaixada do Equador pode ser preso pela polícia inglesa e extraditado para a Suécia e depois aos Estados Unidos. Assange também é acusado pela Justiça norte-americana de vazar documentos militares e diplomáticos ultrasecretos.
Em uma entrevista à imprensa, a procuradora sueca Marianne Ny afirmou que não há como avançar nas investigações porque "todas as possibilidades foram esgotadas".
Assange tem 45 anos e vive como refugiado na embaixada equatoriana desde 2012. A interrupção das investigações sobre o crime de estupro, foi considerada uma "vitória absoluta" para ele, pelo advogado que o representa, Per Samuelson. Mesmo assim, a defesa da mulher que acusa Assange informou à imprensa que a acusação será mantida e que é um absurdo que um "estuprador não tenha que responder judicilamente pelo crime".
A mulher acusa Assange de tê-la estuprado em 2010. Ele nega o crime e alega que a denúncia faz parte de uma "estratégia" para que ele seja extraditado à Suécia e depois aos Estados Unidos.
WikiLeaks
O WikiLeaks tornou público documentos confidenciais de operações militares norte-americanas no Iraque e no Afeganistão, em 2010, além de correspondências diplomáticas. Os documentos e correspondências foram repassados ao site pela ex-agente norte-americana transgênero Chelsea Manning que ficou presa por sete anos pelos vazamentos.
Assange prometeu que aceitaria ser extraditado aos Estados Unidos, caso Chelsea Manning fosse libertada, o que ocorreu no começo da semana, graças a um indulto concedido por Barack Obama, dias antes de ele deixar o cargo em janeiro.
Manning enfrentava depressão e tentou suicídio na prisão em duas ocasiões. Após a assinatura do indulto por Barack Obama, os advogados de Assange disseram que ele não aceitaria de forma imediata a extradição, pois poderia ser preso.
A administração de Donald Trump não concordou com a libertação de Manning e já informou que a extradição de Assange é prioridade. O tema já foi discutido entre Estados Unidos e Grã-Bretanha.

Fonte: Da redação (Justiça em Foco), com Ag. Brasil.
Relatar Conteúdo Impróprio ou Comunicar Erro


Mais Notícias


Indique a um amigo
Imprimir notícia 
Últimas Notícias

Outras Notícias Clique Aqui