Poder Judiciário

Após 11 horas de júri, magistrado aposentado é condenado a 15 anos de prisão por homicídio da companheira

A Defesa do réu recorreu da decisão.  (Foto: Ivo Curcino/Tribuna de Restinga) A Defesa do réu recorreu da decisão. (Foto: Ivo Curcino/Tribuna de Restinga)
Da redação (Justiça em Foco), com TJRS. - sexta, 08 de junho de 2018
 

O Juiz aposentado de Minas Gerais acusado de matar a tiros a companheira dele, em Restinga Seca/RS, foi condenado (6/6) a 15 anos de prisão. O julgamento de Francisco Eclache Filho ocorreu no Salão do Júri do Foro, durou quase 12 horas, e foi presidido pela Juíza de Direito Juliana Tronco Cardoso, titular da Vara Judicial da Comarca. Ao final dos trabalhos, o Conselho de Sentença do Tribunal do Júri acolheu a tese de acusação do Ministério Público, considerando o réu culpado pelo homicídio de Madalena Dotto Nogara.

O crime ocorreu no dia 22/7/14, na residência do casal, e teria sido motivado por ciúmes. Após desferir quatro tiros na vítima, Eclache tentou fugir, mas acabou se envolvendo em um acidente de trânsito. Após ser submetido a atendimento médico, ele foi preso.

A pena estipulada pela magistrada deverá ser cumprida em regime fechado, sem possibilidade de recorrer da decisão em liberdade. O réu deverá permanecer preso junto ao Grupamento de Operações Especiais da Polícia Civil até a condenação tornar-se definitiva, nos termos do art. 295, inciso VI, do Código de Processo Penal.

A Defesa do réu recorreu da decisão. O recurso será analisado no TJRS.

Francisco Eclache Filho, de 69 anos, confessou ter matado Madalena Dotto a tiros, mas defendia que disparos foram acidentais. Ele está preso desde a data do crime, ocorrido em julho de 2014.