Geral

Capitão Davi é cotado para assumir Ministério da Educação

POR ANA MENEZES - REVISTA BRASÍLIA. - quinta, 18 de junho de 2020
 

BRASÍLIA -   Militar da reserva, formado em Direito, com especialização em Prestação Jurisdicional, o Capitão Davi é Presidente da Associação Brasileira de Educação Cívico-Militar (ABEMIL) e participou ativamente da campanha de Jair Bolsonaro, em 2018, aparecendo ao lado do Presidente em diversos vídeos que circulam nas redes sociais.

Capitão Davi é um nome que surge para desenvolver a principal aposta do governo para a educação básica: as Escolas Cívico-Militares. Um projeto de grande impacto, mas que não recebeu a devida atenção do Ministério. Mesmo após a criação da Subsecretaria de Fomento às Escolas Cívico-Militares a iniciativa não ‘vingou’, revelou uma fonte do governo à Revista Brasília, sob a condição de anonimato.

Reconhecido pela atuação nessa área, o oficial da reserva foi o responsável por promover o 1º Simpósio Brasileiro de Escolas Cívico-Militares, evento realizado na Câmara dos Deputados em 2019 e que contou com a participação de figuras importantes do governo, como o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-RJ) e o líder do governo na Câmara, Major Vitor Hugo (PSL-GO).

Além disso, o Capitão Davi viaja por todo o Brasil, ministrando palestras sobre a relevância do civismo, do patriotismo e da disciplina na formação dos jovens. Valores que foram perdidos ao longo dos anos, mas que podem ser resgatados com o projeto das escolas cívico-militares.

Com os desgastes que o Ministério da Educação vem sofrendo, está na hora de o Presidente Jair Bolsonaro apresentar algo novo para a sociedade. Um aliado político de primeira hora, o Capitão Davi já demonstrou seu valor e confiança ao Chefe do Executivo em diversas oportunidades, marcadamente durante a campanha e na implementação de escolas cívico-militares no Distrito Federal.

Nos últimos meses, o Capitão Davi esteve no 2º Simpósio das Escolas Cívico-Militares da Cidade de Jáu (SP) e na coordenação do 3º Simpósio das Escolas-Cívico Militares na Cidade de Cândido Sales (BA). Mais recentemente, o capitão participou do lançamento da Frente Parlamentar das Escolas Cívico Militares na Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo.

Sempre engajado no contexto educacional, o Capitão Davi dedicou seus mais de 30 anos de efetivo serviço militar no Exército Brasileiro ao ensino e formação de jovens. Defensor do modelo misto que confere a disciplina aos militares e a parte pedagógica aos civis, o Capitão Davi é hoje uma das maiores autoridades nacionais no que se refere a transformar uma escola convencional em um centro de ensino cívico-militar.

Para o Capitão Davi, especialista no assunto, o Programa Nacional das Escolas Cívico-Militares (Pecim) possui um desenho muito centralizado que exclui as municipalidades de estados que não aderiram ao projeto. A expansão, segundo o capitão, deveria ser descentralizada e requerida diretamente pelos municípios, após análise dos gestores públicos sobre a viabilidade da implementação do modelo.

Outro ponto estratégico está na relação entre a comunidade e a escola, fundamental para o sucesso do modelo. Para o Capitão Davi, a implementação das escolas cívico-militares deve ter a concordância da comunidade, mas não pode ser um requisito para a implantação. A análise da necessidade deve ser feita pelo gestor público, por uma equipe técnica e, posteriormente, informada para a comunidade.

Pelo fato de as escolas cívico-militares virarem referência em educação, disciplina e desempenho, a demanda pela implementação desse programa é altíssima em todo o Brasil. Contudo, o Ministério da Educação não dispensou os esforços necessários para uma expansão sustentada desse modelo. Está na hora de mudar, de investir no futuro dos jovens dessa nação e isso só se dará pela educação.

redacao@revistabrasilia.com.br