Poder Judiciário

Não há condenação em honorários quando a Fazenda Pública reconhece a procedência do pedido

Da Redação com informações do TRF1. - quarta, 12 de agosto de 2020
 

A 8ª Turma do Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF1) deu provimento à apelação da União reformando a sentença que, reconhecendo a ocorrência de prescrição, em exceção de pré-executividade (defesa do executado), condenou o ente público ao pagamento dos honorários advocatícios.

O relator, desembargador federal Marcos Augusto de Sousa, ao analisar o recurso da União, destacou que a procedência do pedido do autor foi expressamente reconhecida na primeira oportunidade que o representante da União teve para manifestar-se.

“Logo, inexistente pretensão resistida, merece reparo a decisão recorrida na parte referente à condenação da excepta a título de honorários de advogado”, afirmou o magistrado.
A decisão do Colegiado foi unânime acompanhando o voto do relator.
Processo nº: 1027694-68.2019.4.01.9999