Educação

Frases que sua mãe dizia e que são verdadeiras aulas de educação financeira

[email protected] | FEBRABAN. - sábado, 08 de maio de 2021
 

Toda mãe já pediu para esperar para comprar algo, sair protegido e guardar as moedas, em vez de gastar. Veja como essas frases ensinam a cuidar do dinheiro

"Só muda de endereço", costumavam dizer os mais velhos, referindo-se a atitudes e comportamentos que fazem parte do cotidiano de boa parte das crianças. Mas, vou te contar: as mães também são similares em muitas coisas, principalmente, no jeito de falar com os pequenos. Quem nunca ouviu uma frase daquelas bem manjadas, que podem ser ouvidas de mães que moram em diferentes cidades e regiões?

Às vezes em forma de conselho, de brincadeira, outras como bronca — mas sempre com muito carinho. Na infância, a gente não presta muita atenção nisso — porque estamos muito ocupados sendo crianças — mas algumas dessas frases trazem grandes lições sobre como cuidar do nosso dinheiro!

Pensando nisso, neste Dia das Mães, preparamos esse texto especial, para que a gente se lembre das frases que nossas mães diziam e que são verdadeiras aulas de educação financeira. Vamos conferir?

Na volta a gente compra
Essa é famosa, não é? Muito dita pelas mães que tentavam dar aquela enroladinha nos filhos na hora em que pediam para comprar um brinquedo que estava um pouco fora do orçamento, ou uma guloseima fora de hora no supermercado. O que elas queriam dizer, na verdade, era espera, tenha paciência, vamos pensar melhor e ver se isso é possível neste momento.

Como a conversa nesse tom iria render, o “na volta a gente compra” facilitava tudo. Por trás dessa frase há uma lição financeira valiosa: não faça nada por impulso! Mesmo que fique muito tentado, sempre pense duas vezes antes de comprar alguma coisa, dê um tempo para ver se é algo realmente importante (e necessário) para você. Em tempos de consumo exacerbado como o que vivemos, esse ensinamento fica ainda mais importante!

Pede pro Papai Noel trazer
O aniversário estava longe e você queria aquele brinquedo muito legal. Insistia, recebia de volta explicações, mas não se conformava e continuava insistindo. Então, a mãe vinha com a famosa “pede pro Papai Noel”. Era o jeito que ela tinha de te contar que brinquedo caro só mesmo no Natal.

Menina negra sorri ao escrever uma carta. Atrás há uma árvore e decorações de natal junto com muitos pacotes de presentes.
Essa lição aborda dois ingredientes essenciais para a prosperidade financeira: paciência e autocontrole. Quando nossas mães diziam isso, estavam tentando nos ensinar esses valores, educando sobre a importância de saber esperar para ganhar alguma coisa que queríamos muito. A frase também era um refúgio para os pais, que encontravam nela um jeito de se segurar para presentear na hora certa.

Se você tem filhos, que tal encontrar o seu jeito de fazer com que eles aprendam a esperar e saibam que existe sempre o momento certo para gastar? Educação financeira, afinal, deve ser ensinada desde cedo. A gente tem um conteúdo que mostra alguns caminhos para educar as crianças para o bem-estar financeiro, ensinando-as desde cedo a se tornarem responsáveis com o dinheiro e o consumo.

Dinheiro não dá em árvore
Um clássico de mãe! Vai dizer que não? Essa frase era usada para nos ensinar enquanto ainda estávamos tentando entender o verdadeiro valor do dinheiro. Afinal, ganhar dinheiro exige um grande esforço de tempo e de vida, e saber usar bem esse recurso é um jeito de reconhecer e ressaltar a importância do trabalho. E você, sabe quanto vale o seu tempo?

À medida em que íamos compreendendo que o dinheiro não vinha fácil e que guardar as moedinhas que caíam em nossas mãos era um jeito de conquistar algo maior depois – aquela revistinha mais cara, por exemplo – a gente ia aprendendo as noções básicas sobre a importância de poupar para realizar nossos projetos de vida. Gratidão às nossas mães por nos ensinarem isso!

Não sou dona da Sabesp (Eletropaulo, Light...)
Essa vinha quase sempre na hora da bronca. Você saía do quarto, deixava a luz acessa e ia brincar no quintal. Ou ligava a torneira para escovar os dentes e se distraía em frente ao espelho. E quem nunca ficou brincando no chuveiro? A bronca era para nos alertar sobre o gasto desnecessário de água e eletricidade, mas o valor por trás dessas palavras é incalculável.

Ao dizer isso, nossas mães tentavam nos mostrar a importância de economizar dentro de casa. Afinal, não só é errado desperdiçar, como são nossos bolsos que sofrem, no fim das contas. Inclusive, a redução em gastos invisíveis é algo que pode contribuir muito para economizar dinheiro. E nos dias atuais, economizar água e energia não traz alívio só pro nosso bolso, mas também ajuda a conservar o meio ambiente.

Quem poupa, tem
Sabedoria materna a gente guarda com carinho! Afinal, nada mais verdadeiro que essa frase. Aqui, nossas mães nos ensinam sobre a importância de poupar dinheiro, para fazer investimentos futuros. Seja ele qual for. Da bicicleta à casa própria. Essa é uma lição que mostra que, mesmo guardando pouco, o valor vai se multiplicando ao longo dos anos.

Vai arrumar seu quarto!
Aposto que essa era a frase que você menos gostava de ouvir, não é? Porém, junto da bronca vinha também um ensinamento precioso: responsabilidade. Ao cobrar a arrumação do quarto, nossas mães nos ensinaram a importância de ser responsável no cuidado da casa, algo importantíssimo para a vida adulta. Afinal, se você cuida da sua casa e de suas coisas, é provável que assim elas durem mais, e você economize dinheiro evitando comprar coisas novas com frequência.

Menina branca coloca as peças de brinquedos em um saco de pano em um quarto com decoração rosa.
Só não esquece a cabeça porque ela está grudada no pescoço
Muitas vezes dita em tom de brincadeira, com essa frase nossas mães buscavam nos passar uma lição fundamental da educação financeira: o controle. Ao dizer isso, elas nos ensinavam sobre a importância de anotar, registrar, cuidar para não esquecer de coisas importantes. Princípios básicos do planejamento e do controle financeiro. Quando anotamos ganhos e gastos, controlamos datas de vencimento, evitando o pagamento de juros e multas por atraso, colhemos os benefícios de uma vida financeira mais saudável.

Se o fulano pular da ponte você pula também?
Essa é famosa, de quando éramos crianças e adolescentes e tentávamos convencer nossas mães a deixar a gente fazer alguma coisa que sabíamos que elas não iam deixar. Então a gente fazia aquela pequena chantagem: “mas o fulano vai/tem”. E recebíamos de volta a frase, que acabava com todas as nossas esperanças!

Aí está outro princípio da boa gestão financeira: basear nossas escolhas – as grandes e as do dia a dia também –em nossos valores, e não no que as pessoas que estão em nosso entorno fazem ou pensam. Não é porque o amigo tem um celular novo, que vamos logo parcelar um também. Vale refletir: o que as suas escolhas de consumo dizem sobre você?

Tenho cara de banco ou “banco” escrito na testa?
Uma frase que muita gente costumava ouvir quando ia pedir dinheiro para a mãe. Na primeira ou segunda vez, talvez nem desse para entender direito o que isso significava. Mas o efeito – não receber o dinheiro que pediu – era muito claro. Aqui, mais uma vez, o ensinamento guarda relação com a importância que demos ao dinheiro. Se ele é importante, não dá para gastar como se o dinheiro estivesse sempre acessível. Ele pode faltar, e precisamos estar preparados para essa situação. A gente explica melhor neste vídeo sobre reserva de emergência.

Leva o guarda-chuva que vai chover
É impressionante como nossas mães tinham um talento nato para meteorologia! Cada vez que a gente ia sair, ela vinha com essa frase ou com outra que era usada com o mesmo objetivo: leva um casaco porque vai esfriar! Brincadeiras à parte, havia um ensinamento valioso nessas recomendações: a vida é imprevisível, portanto, tome as precauções necessárias para estar protegido.

Esse ensinamento se aplica muito à decisão sobre contratar ou não o seguro do carro, por exemplo, mas também à preocupação em formar aquela famosa reserva de emergência. A pandemia nos ensinou muito sobre proteção financeira e fizemos um artigo contando como se prevenir contra sustos. Vale dar uma espiada nele.

Concluindo...
Deu até saudade, né? Às vezes mesmo sem saber (em muitos casos, sabendo), nossas mães nos ensinaram muita coisa sobre educação financeira com frases que acabaram marcando a infância de todo mundo. Agora que você terminou a leitura, é hora de compartilhar o artigo com seus colegas, amigos, familiares, e até com ela mesma: sua mãe! Nós aqui do time do Meu Bolso em Dia temos certeza de que ela vai ficar muito orgulhosa de ter sido sua primeira professora de educação financeira.

Aproveite bem o Dia das Mães!