OAB & CIA

Eleições OAB-DF: Pré-candidato Campelo fala das propostas

Por Ana Menezes - segunda, 07 de junho de 2021
 

Os inscritos na Ordem dos Advogados do Brasil vão eleger as novas diretorias das seccionais espalhadas pelo país – em novembro deste ano.

Em Brasília, pela primeira vez, a entidade pode ser presidida por um jovem com uma visão mais humanizada para a advocacia. Guilherme Capriata Vaccaro Campelo Bezerra, é voluntário de programas e ações sociais, advogado proeminente com carreira jurídica na área de Direito Tributário, bacharel em direito desde 2009 e possui diversas condecorações pelos trabalhos prestados como consultor na Reforma Tributária. Além disso, foi Presidente da Comissão de Direito Tributário da Associação Brasileira de Advogados (ABA) e cofundador do PAED – Programa de Apoio ao Estudante de Direito (criado em 2007 na OAB-DF pelo professor Esdras Dantas).

Em entrevista concedida ao portal Justiça Em Foco por telefone, Guilherme Campelo falou sobre a sua pré-candidatura, participação dos jovens advogados nos trabalhos da OAB e disse que os profissionais iniciantes olham para a OAB e não se sentem representados. Os advogados e advogadas esperam do novo comando da OAB-DF não somente a solenidade de entrega de carteiras, mas contribuição para integrá-los no mercado de trabalho."

Campelo também defendeu a criação de um Hospital para a classe, que deve ser uma das prioridades da seccional de Brasília. "
Sou a favor que nossa Caixa de Assistência proponha a criação de um Hospital para nossa classe, como já existe em outras subseções em outros Estados, como o caso do Hospital Santo Ivo, em Minas Gerais, referência em atendimento.”

A entrevista contou com a colaboração de jovens e veteranos, advogados e advogadas, que enviaram algumas das perguntas que foram feitas para Guilherme Campelo.

Confira abaixo a íntegra da entrevista:

Justiça em Foco: Qual é o cenário pré-eleitoral na seccional do Distrito Federal hoje? Como o senhor vê as movimentações dos eleitores e dos pré-candidatos?

Campelo: Hoje existem dois grupos: a atual gestão, a qual podemos denominar de gestão “CAMAROTE”, que vive em outra realidade, parece que está em uma “bolha” desconhece as angústias e os anseios de nossa classe; e a turma do governador Ibaneis, que dizem ser os “PALADINOS DA JUSTIÇA”, mas sabemos que os verdadeiros interesses são outros, o poder pelo poder. O que os colegas advogados querem é uma instituição que advogue para nós, INDEPENDENTE e FORTE, afastando-se de atividades político-partidárias.

Justiça em Foco: Tendo em vista todo esse contexto, o que precisa ser feito? Quais são suas principais propostas?

Campelo: Como já tenho dito em entrevistas anteriores, o momento é de propor ideias, sugestões e ouvir os colegas para que valorizem nossa classe, resgatando nossa força como entidade, mas também que nós operadores do direito possamos ter condições melhores de trabalho. Nossa atual gestão deixa a desejar no atendimento aos advogados. Precisamos mudar e humanizar nossa Ordem.

Justiça em Foco: O senhor já propôs a redução a três anos do tempo de advocacia necessário para assumir qualquer cargo de diretoria na OAB-DF. Por que essa importância dada aos jovens na advocacia?

Campelo: A participação dos jovens advogados nos trabalhos da Ordem é fundamental, a jovem advocacia está perdendo a capacidade de acreditar na Ordem. Os iniciantes na profissão olham para a OAB e não se veem representados. Hoje somos maioria, é necessário modernizar o processo eleitoral de nossa instituição.

Justiça em Foco: Agora, considerando os advogados idosos: Como o senhor avalia a assistência dada a eles, o que poderia ser feito melhor?

Campelo: Não podemos esquecer a melhor idade, sou a favor que nossa Caixa de Assistência proponha, subsidiariamente ou a criação de um Hospital para nossa classe, como já existem em outras subseções em outros Estados, como o caso do Hospital Santo Ivo, em Minas Gerais, referência em atendimento.  

Justiça em Foco: A pandemia teve um impacto econômico muito negativo para a classe dos advogados. Como foi a resposta da OAB-DF diante dessas dificuldades?

Campelo: Praticamente nula. Infelizmente, a OAB/DF foi AUSENTE e OMISSA nesses 02 dois anos de pandemia, no momento em que os colegas mais precisaram de nossa instituição, fomos esquecidos. Em momentos difíceis como este que assolou nosso mundo, quando seria a hora de socorrer a advocacia brasileira, alegam falta de receita, data máxima vênia, o que falta é compromisso com a nossa classe. É necessário humanizar nossa Ordem.

Justiça em Foco: Na crise política atual, os posicionamentos da OAB cada vez mais tomam relevância na condução de diversas questões políticas e na opinião popular. O que o senhor acha disso, existe um perigo de partidarismo?

Campelo: Nossa instituição é a legítima guardiã da Constituição, das Leis e dos Direitos, mas deve afastar-se de atividades político-partidárias para que não milite em causas que não interessam a maior parte da população, o que fez a classe perder o respeito do cidadão. É necessário resgatar a credibilidade de nossa Ordem e fortalecimento de nossa classe, para que a população retorne a acreditar na OAB.

Justiça em Foco: Muitos advogados estão desmotivados com a falta de credibilidade de sua classe crescendo perante a sociedade. Na sua opinião, porque isso está acontecendo?

Campelo: A Ordem, seja em Brasília, seja no Conselho Federal, não está fazendo seu papel como deveria. Infelizmente utilizam nossa Ordem para outras atividades, esquecendo a real função de nossa instituição. Estamos abandonados, é necessária uma mudança em toda a sua estrutura, voto direto para os conselheiros federais e presidente; a modernização do processo eleitoral é primordial. Nossa Ordem deve mostrar exemplo perante nossa sociedade. Hoje muitos colegas, naturalmente, estão desmotivados pela falta de respeito a nossa classe, por isso é urgente a valorização, fortalecimento e independência da OAB e de nossa classe.

Justiça em Foco: Por fim, por que o senhor deseja tornar-se presidente da seccional?

Campelo: Gostaria de registrar que sei que demais concorrentes vão querer me desqualificar pela minha idade, por ser jovem, mas graças a Deus, não tenho medo de seguir em frente, e lutar para uma REAL e VERDADEIRA mudança na nossa condução de Gestão e CREDIBILIDADE da nossa ORDEM. A mensagem que gostaria de registrar a TODOS os Colegas é primeiramente o RESPEITO, pois sem ele não vamos a lugar nenhum. Segundo, é necessário RESGATAR a CREDIBILIDADE da ADVOCACIA, pois por OMISSÃO ou não, hoje não valemos mais nada. É fundamental uma Ordem que advogue para os Advogados e seus anseios. Antes de tudo, somos uma entidade de classe, nossa instituição deve zelar por nós. Pois, sem respeito à ADVOCACIA BRASILEIRA, não poderemos atuar em favor dos nossos clientes e empregar a devida JUSTIÇA.