Geral

Evangélico, conservador e contra o lockdown, juiz Mirko Giannotte tem bom senso necessário para o STF

Por Ronaldo Nóbrega - terça, 22 de junho de 2021
 

Está se aproximando o prazo para o Presidente Jair Bolsonaro indicar um substituto para o ministro Marco Aurélio de Mello. O decano deixará sua cadeira no Supremo Tribunal Federal (STF) em razão da aposentadoria compulsória. Marco Aurélio irá completar 75 anos no dia 12 de julho, prazo limite para se aposentar.
                                                                                                                                            
Em declarações anteriores, Bolsonaro não escondeu sua predileção por indicar um ministro evangélico e de perfil conservador para a Suprema Corte. Portanto, dentre os nomes mais cotados, o juiz de carreira, Mirko Giannotte, se encaixa no perfil almejado por Bolsonaro.

Além das características exigidas pelo Presidente, Mirko satisfaz com louvor os requisitos legais, afinal, possui notório saber jurídico e uma reputação verdadeiramente ilibada. O currículo do magistrado inclui quase 20 anos como juiz de direito em Sinop-MT, MBA pela Fundação Getúlio Vargas e é doutorando pela Universidade Católica de Santa Fé, na Argentina.

Em relação à atividade jurisdicional, Mirko Giannotte entrou no radar dos cotados ao STF após suspender um lockdown indiscriminado na cidade de Sinop-MT. Além disso, o juiz foi o nome escolhido pela Associação Nacional dos Magistrados Estaduais (Anamages) para representar a magistratura na indicação à vaga no STF.

O renomado jornalista Alexandre Garcia citou a decisão de Mirko Giannotte ao permitir a reabertura do comércio em Sinop-MT. Segundo Alexandre Garcia, a agenda do bom senso prevaleceu no caso do município que é um dos maiores centros de produção agrícola do país.

O bom senso de Mirko se estende para outros assuntos. Defensor dos princípios cristãos, Giannotte é totalmente a favor da vida, portanto, contra o aborto. Evangélico da igreja Batista, Giannotte tem um perfil conservador nos costumes.

No que se refere à bagagem jurídica, como juiz de direito, milhares de processos passaram pelo gabinete de Mirko Giannotte. Todos julgados com o rigor da lei e com o bom senso inerente aos homens de virtude. Um nome forte para equilibrar a Suprema Corte que carece desse bom senso em diversas ocasiões.