Poder Legislativo

Senador Zequinha critica visita de Macron e pressões ambientais da França

Com informações da Ag. Senado e STF. |Foto:©Waldemir Barreto| - 27/03/2024
 

O senador Zequinha Marinho (Podemos-PA) destacou, em pronunciamento ontem, na terça-feira (26), a visita do presidente da França, Emmanuel Macron, ao Brasil. Macron esteve em Belém na terça e também tem agenda em São Paulo e Brasília. O parlamentar criticou as "pressões ambientais impostas pela França ao Brasil" e questionou o que o país europeu tem feito para contribuir com as ações urgentes de combate às mudanças climáticas.

— Atualmente, a área de preservação na França é de 4%, mas a União Europeia, através de seu Parlamento, tem proposto regras para que o setor agrícola aumente esse percentual para 7%, e é justamente esse pequeno aumento que tem provocado a ira dos produtores franceses. Por causa da ira de produtores rurais da França, esse mesmo país que exige o compromisso do Brasil em manter uma política mais rígida contra o desmatamento é o país que anunciou o adiamento da expansão da sua área de preservação para 2025. É lamentável. Os fenômenos climáticos estão cada vez mais presentes e as ações contra a mudança global do clima são urgentes.

Zequinha pontuou que, na Amazônia brasileira, é obrigatório preservar 80% da área da propriedade. O senador destacou projeto de sua autoria que cria a lei da reciprocidade ambiental (PL 2.088/2023), tornando obrigatório o cumprimento de padrões ambientais compatíveis aos do Brasil, para os produtos que forem importados pelo nosso país.

— Faço mais uma sugestão ao presidente da França: que tal estabelecermos uma taxa na importação de produtos franceses, para que a manutenção das florestas pudesse acontecer no Brasil? Por que sugerir isso? Porque os milhões ou bilhões de dólares que se prometem a cada COP [Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas] que acontece nunca chegaram por aqui. Ninguém viu, ninguém vê. Se a França tem dificuldades para aumentar sua área de preservação ambiental, seria justo, então, que as bolsas que as madames usam, os carros Citroën, Peugeot, Renault e outros produtos made in France pagassem uma taxa para que as nossas florestas brasileiras continuem filtrando a poluição produzida pelo mundo, em especial pela França, que não quer contribuir nem com 7% de suas áreas para a preservação ambiental.